banner
5 meses atrás
434 Visualizações
3 0

A República Anarquista de Cospaia

Escrito por
Compartilhe:

A próxima vez que um de seus amigos falar “diga um lugar onde o Anarcocapitalismo foi tentado” você pode responder orgulhosamente “A República de Cospaia”. Por aproximadamente quatrocentos anos, essa pequena república prosperou na Itália central sem governo, sem líderes, sem exército, sem burocracia e sem impostos!

O sucesso de Cospaia é uma história improvável de como consideravelmente pouco é necessário para a prosperidade. Apesar de ser chamada de “República”, é apenas no sentido de que um grupo de idosos sem poder de fazer cumprir suas decisões ocasionalmente se reunia na igreja. Esse território cercado por terra tinha área de apenas 330 hectares (815 acres), por volta do tamanho de uma grande fazenda. A população variou ao longo dos séculos mas costumava ser por volta de 300 pessoas, com menos de 100 domicílios. No inicio a população era analfabeta, com exceção do padre da paróquia. A república nunca foi invadida ou colocada sob controle estrangeiro, exceto por um curto período durante as Guerras Napoleônicas (um conflito que eles sobreviveram). Apesar de ser cercada por terra, com uma população predominantemente analfabeta, fora das grandes rotas comerciais, Cospaia prosperou e se tornou motivo de inveja de seus vizinhos, pois por aproximadamente 400 anos eles evitaram a mão opressora do estado.

A história de Cospaia começa em 1440. Durante esse período a Península Itálica era composta de vários pequenos reinos. Um desses reinos era conhecido como Estados Papais e era liderado pelo Papa em Roma. Seu vizinho ao norte era a República de Florença, liderada pela Família Medici. Em 1431 Eugênio IV foi eleito Papa e tomou um empréstimo de 25000 florins de ouro de Cosimo di Giovanni de’ Medici, grande banqueiro à época e intermediário financeiro da República de Florença. Essa não era uma época de bancos centrais e moedas fiduciárias, e mesmo os governo tinham que dar garantias se eles quisessem um empréstimo. Então, o Papa colocou a cidade de Borgo Sansepolcro e vizinhanças no Alto Vale do Tibério como garantia do empréstimo. Imagine o presidente Obama colocando a Califórnia como garantia aos chineses pra pagar pelo Obama Care.

Após 10 anos os Estados Papais pagaram o empréstimo e fiscais tanto de Florença quanto dos Estados Papais concordaram que uma das novas fronteiras entre os estado seria um rio no alto Tibério. Mas os fiscais cometeram um erro. Havia mais de um rio na região. Um alto tributário se dividia em dois bem onde a vila de Cospaia estava localizada.

Ainda que os habitantes de Cospaia fossem analfabetos, eles imediatamente perceberam que tiveram muita sorte. Visto que eles se encontravam fora da jurisdição dos Estados Papais e da República de Florença.  O povo de Cospaia rapidamente se declarou uma república independente. Os lideres dos Estados Papais e da República de Florença viram o valor de ter um “estado neutro” entre seus territórios e nenhum deles tentou incorporar Cospaia aos seus estados. E aí começa 385 anos de extasiante anarquia.

No início a economia de Cospaia era baseada no escambo. Apesar da falta de uma moeda ou educação a população de Cospaia se saia melhor do que as vilas vizinhas sob a lei de um estado. Por ser uma República Anarquista, eles não tinham que pagar impostos, não havia leis arbitrárias impostas por líderes para favorecer os bem conectados. Os homens de Cospaia não eram recrutados para lutar em guerras de Roma ou Florença, e como eles não tinham líderes para representa-los, eles não tinham ninguém para formar involventes alianças que podiam falhar e colocá-los em guerra. Os habitantes de Cospaia eram livres pra firmar trocas e criar suas famílias da forma que lhes era conveniente. O fato de não terem líderes permitiu que pudessem buscar a forma mais lucrativa de dispor de seu tempo e energia.

Em 1574 o povo de Cospaia descobriu um uso extremamente lucrativo do seu tempo e talento. Foi introduzida uma cultura do novo mundo que influencia a região até os dias de hoje. Essa cultura é o tabaco. Tabaco tem sido extremamente popular ao longo da história, em todo lugar que tem sido introduzido, e a Itália Renascentista não foi exceção. Cospaia logo se tornou famosa pelo seu tabaco de alta qualidade. Adicionadas à demanda por essa cultura estavam as restrições impostas pelos estados da Península Itálica ao cultivo e uso do tabaco. Muita gente acha que a proibição do uso do tabaco é uma invenção do século XX, entretanto a polícia moralista estava viva e bem também no século XVII. Em 1624 o Papa Urbano VIII aprovou um decreto papal tornando o uso do tabaco em qualquer lugar sacro punível de excomunhão. A proibição durou até 1724 quando foi abolida pelo Papa Benedito VIII. Certamente que as regulações contra o tabaco apenas ajudaram a economia de Cospaia, a diminuição na oferta e a ausência de quaisquer regulações e tarifas tornaram Cospaia um centro do comércio de tabaco. Logo galpões foram construídos para aproveitar tal comércio lucrativo. Muitos dos galpões eram gerenciados por judeus de Genoa, Livorno, Civitavecchia, Napoles e Ancona. Judeus na Itália eram uma minoria perseguida e observada de perto pelos estados da redondeza. Em vários períodos eles foram proibidos de ter propriedades e restritos de fazer comércio com cristãos. Assim, a economia laissez-faire de Cospaia permitiu que essa minoria perseguida sobrevivesse e prosperasse apesar da agressão dos estados vizinhos.

Ao longo de sua história Cospaia não teve líderes, não teve judiciário e não teve leis escritas além da frase “Perpetua at Firma Libertas”, que foi inscrita no alto de sua igreja em 1610. Em tradução livre, “Eterna e Firme Liberdade”.

Conflitos eram resolvidos pelos chefes das famílias ou pelo padre local. Os árbitros eram escolhidos pela sua integridade e não por suas conexões políticas. Não há indicação de que Cospaia era um lugar violento. Se fosse, seus habitantes teriam ido para os Estados Papais ou República de Florença. Ao invés disso, o total oposto aconteceu. Pessoas se amontoavam em Cospaia por que o lugar proporcionava oportunidades não disponíveis nos estados vizinhos.

Cospaia é descrita como “sem lei” e habitada por “contrabandistas” e certamente essas acusações são verdadeiras. Cospaia não tinha lei exceto Perpetua et Firma Libertas. Uma vez que praticamente tudo que entrava os Estados Papais ou a República de Florença era taxado, tudo que deixava Cospaia era “contrabandeado”. Por volta do século XVIII Cospaia tinha ido de uma pequena vila inofensiva a um grande centro de mercadorias não taxadas. Cospaia não apenas era a capital italiana do tabaco, mas como tecidos, mantimentos e outras mercadorias circulavam por Cospaia sem impostos. Os líderes dos estados vizinhos estavam naturalmente muito zangados como fato de alguém ganhar dinheiro e eles não ficarem com uma parte. Eles começaram a chamar Cospaia de “toca de contrabandistas fora da lei”. Há relatos de que Papa e o Grão Duque da Toscana se corresponderam a respeito de como resolver o problema do “contrabando”. Durante a maior parte da história de Cospaia eles evitaram a ira dos seus vizinhos maiores por que eles eram um pequeno grupo e os líderes dos estados ao redor tendiam a ter problemas maiores do que uma perda mínima de receita que eles sofriam devido ao livre mercado de Cospaia.

Em 1826 o estado finalmente ficou cansado do completo sucesso de Cospaia e o Papa e o Grão Duque da Toscana levaram a pequena República à inanição e forçaram os 14 chefes de família restantes assinar “o ato de subjugação” acabando com 385 anos de liberdade e anarquia. Como compensação, cada região for permitida plantar meio milhão de pés de tabaco (seu cultivo era proibido em outros lugares) e aos residentes foi dada uma moeda de prata com a imagem do Papa. A moeda veio a ser chamada de “papetto” combinando as palavras italianas para Papa e pequeno, indicando o quão pouco eles tinham recebido em troca de sua liberdade. Ainda hoje as pessoas de Cospaia mantêm um festival anual onde celebram as liberdades que um dia gozaram. Se você estiver na Itália, dê uma olhada no Banquete de Cospaia.

É tentador nos perguntarmos o que teria acontecido caso Cospaia tivesse se mantido livre até hoje. Poderiam eles ter sobrevivido na era moderna como San Marino e Lichtenstein? Por mais que essas perguntas sejam tentadoras, eu acho que Cospaia ainda tem uma lição muito importante para nos ensinar. Apesar de tudo, eles eram uma República Anarquista que sobreviveu e prosperou por 385 anos. Isso são 385 anos sem impostos, guerras, lideres e regulações. Eu desafio qualquer um a falar um país com um melhor histórico.

Autor: Anthony Caprio
Tradução: Daniel Chaves Claudino

Compartilhe:
Categorias dos artigos:
Libertarianismo
banner
Foto de perfil de Diversos Autores

Espaço reservado para autores diversos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *