Nossos Parceiros e Patrocinadores. Clique aqui para anunciar nesse site

 
 
abr 15, 2020
742 Visualizações
Comentários desativados em Davi e Golias, a arte da guerra de todo dia
1 0

Davi e Golias, a arte da guerra de todo dia

Escrito por
Compartilhe:

Citação da Bíblia, pode pular se quiser, mas creio que conhecer os detalhes desta passagem seja bem esclarecedor.

1 Samuel 17 

1 Os filisteus juntaram suas forças para a guerra e reuniram-se em Socó de Judá. E acamparam em Efes-Damim, entre Socó e Azeca.

2 Saul e os israelitas reuniram-se e acamparam no vale de Elá, posicionando-se em linha de batalha para enfrentar os filisteus.

3 Os filisteus ocuparam uma colina e os israelitas outra, estando o vale entre eles.

4 Um guerreiro chamado Golias, que era de Gate, veio do acampamento filisteu. Tinha dois metros e noventa centímetros de altura.

5 Ele usava um capacete de bronze e vestia uma couraça de escamas de bronze que pesava sessenta quilos;

6 nas pernas usava caneleiras de bronze e tinha um dardo de bronze pendurado nas costas.

7 A haste de sua lança era parecida com uma lançadeira de tecelão, e sua ponta de ferro pesava sete quilos e duzentos gramas. Seu escudeiro ia à frente dele.

8 Golias parou e gritou às tropas de Israel: “Por que vocês estão se posicionando para a batalha? Não sou eu um filisteu, e vocês os servos de Saul? Escolham um homem para lutar comigo.

9 Se ele puder lutar e matar-me, nós seremos seus escravos; todavia, se eu o vencer e o matar, vocês serão nossos escravos e nos servirão”.

10 E acrescentou: “Eu desafio hoje as tropas de Israel! Mandem-me um homem para lutar sozinho comigo”.

11 Ao ouvirem as palavras do filisteu, Saul e todos os israelitas ficaram atônitos e apavorados.

12 Davi era filho de um efrateu, de Belém de Judá, chamado Jessé. Este tinha oito filhos e já era idoso na época de Saul.

13 Os três filhos mais velhos de Jessé tinham ido para a guerra com Saul: Eliabe, o mais velho, Abinadabe, o segundo e Samá, o terceiro.

14 Davi era o caçula. Os três mais velhos seguiram Saul,

15 mas Davi ia ao acampamento de Saul e voltava para apascentar as ovelhas de seu pai, em Belém.

16 Durante quarenta dias o filisteu aproximava-se, de manhã e de tarde, e tomava posição.

17 Nessa ocasião Jessé disse a seu filho Davi: “Pegue uma arroba de grãos tostados e dez pães e leve-os rapidamente para seus irmãos no acampamento.

18 Leve também estes dez queijos ao comandante da unidade deles. Veja como estão seus irmãos e traga-me alguma garantia de que estão bem.

19 Eles estão com Saul e com todos os homens de Israel no vale de Elá, lutando contra os filisteus”.

20 Levantando-se de madrugada, Davi deixou o rebanho com outro pastor, pegou a carga e partiu, conforme Jessé lhe havia ordenado. Chegou ao acampamento na hora em que, com grito de batalha, o exército estava saindo para suas posições de combate.

21 Israel e os filisteus estavam se posicionando em linha de batalha, frente a frente.

22 Davi deixou o que havia trazido com o responsável pelos suprimentos, correu para a linha de batalha para saber como estavam seus irmãos.

23 Enquanto conversava com eles, Golias, o guerreiro filisteu de Gate, avançou e lançou seu desafio habitual; e Davi o ouviu.

24 Quando os israelitas viram o homem, todos fugiram com muito medo.

25 Os israelitas diziam entre si: “Vocês viram aquele homem? Ele veio desafiar Israel. O rei dará grandes riquezas a quem o matar. Também lhe dará sua filha em casamento e isentará de impostos em Israel a família de seu pai”.

26 Davi perguntou aos soldados que estavam ali ao seu lado: “O que receberá o homem que matar esse filisteu e salvar a honra de Israel? Quem é esse filisteu incircunciso para desafiar os exércitos do Deus vivo? “

27 Repetiram a Davi o que haviam comentado e lhe disseram: “Isto é o que receberá o homem que matá-lo”.

28 Quando Eliabe, o irmão mais velho, ouviu Davi falando com os soldados, ficou muito irritado com ele e perguntou: “Por que você veio até aqui? Com quem deixou aquelas poucas ovelhas no deserto? Sei que você é presunçoso e como seu coração é mau; você veio só para ver a batalha”.

29 E disse Davi: “O que fiz agora? Será que não posso nem mesmo conversar? “

30 Ele então se virou para outro e perguntou a mesma coisa, e os homens responderam-lhe como antes.

31 As palavras de Davi chegaram aos ouvidos de Saul, que o mandou chamar.

32 Davi disse a Saul: “Ninguém deve ficar com o coração abatido por causa desse filisteu; teu servo irá e lutará com ele”.

33 Respondeu Saul: “Você não tem condições de lutar contra este filisteu; você é apenas um rapaz, e ele é um guerreiro desde a mocidade”.

34 Davi, entretanto, disse a Saul: “Teu servo toma conta das ovelhas de seu pai. Quando aparece um leão ou um urso e leva uma ovelha do rebanho,

35 eu vou atrás dele, atinjo-o com golpes e livro a ovelha de sua boca. Quando se vira contra mim, eu o pego pela juba, atinjo-o com golpes até matá-lo.

36 Teu servo é capaz de matar tanto um leão quanto um urso; esse filisteu incircunciso será como um deles, pois desafiou os exércitos do Deus vivo.

37 O Senhor que me livrou das garras do leão e das garras do urso me livrará das mãos desse filisteu”. Diante disso Saul disse a Davi: “Vá, e que o Senhor esteja com você”.

38 Então Saul vestiu Davi com sua própria túnica. Colocou-lhe uma armadura e um capacete de bronze na cabeça.

39 Davi prendeu sua espada sobre a túnica e tentou andar, pois não estava acostumado àquilo. E disse a Saul: “Não consigo andar com isto, pois não estou acostumado”. Assim tirou tudo aquilo,

40 e em seguida pegou seu cajado, escolheu no riacho cinco pedras lisas, colocou-as na bolsa, isto é, no seu alforje de pastor e, com sua atiradeira na mão, aproximou-se do filisteu.

41 Enquanto isso, o filisteu, com seu escudeiro à frente, vinha se aproximando de Davi.

42 Olhou para Davi com desprezo, viu que era só um rapaz, ruivo e de boa aparência, e fez pouco caso dele.

43 E disse a Davi: “Por acaso sou um cão para que você venha contra mim com pedaços de pau? ” E o filisteu amaldiçoou Davi invocando seus deuses,

44 e disse: “Venha aqui, e darei sua carne às aves do céu e aos animais do campo! “

45 E Davi disse ao filisteu: “Você vem contra mim com espada, com lança e com dardo, mas eu vou contra você em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem você desafiou.

46 Hoje mesmo o Senhor o entregará nas minhas mãos, e eu o matarei e cortarei a sua cabeça. Hoje mesmo darei os cadáveres do exército filisteu às aves do céu e aos animais selvagens, e toda a terra saberá que há Deus em Israel.

47 Todos que estão aqui saberão que não é por espada ou por lança que o Senhor concede vitória; pois a batalha é do Senhor, e ele entregará todos vocês em nossas mãos”.

48 Quando o filisteu começou a vir na direção de Davi, este correu depressa na direção da linha de batalha para enfrentá-lo.

49 Retirando uma pedra de seu alforje ele a arremessou com a atiradeira e atingiu o filisteu na testa, de tal modo que ela ficou encravada, e ele caiu com o rosto no chão.

50 Assim Davi venceu o filisteu com uma atiradeira e uma pedra; sem espada na mão ele derrubou o filisteu e o matou.

51 Davi correu e se pôs de pé sobre ele; e desembainhando a espada do filisteu acabou de matá-lo, cortando-lhe a cabeça com ela. Quando os filisteus viram que seu guerreiro estava morto, recuaram e fugiram.

52 Então os homens de Israel e de Judá deram o grito de guerra e perseguiram os filisteus até a entrada de Gate, e até as portas de Ecrom. Cadáveres de filisteus ficaram espalhados ao longo da estrada de Saaraim até Gate e Ecrom.

53 Quando os israelitas voltaram da perseguição aos filisteus, levaram tudo o que havia no acampamento deles.

54 Davi pegou a cabeça do filisteu, levou-a para Jerusalém e guardou as armas do filisteu em sua própria tenda.

55 Quando Saul viu Davi avançando para enfrentar o filisteu, perguntou a Abner, o comandante do exército: “Abner, quem é o pai daquele rapaz? ” Abner respondeu: “Juro por tua vida, ó rei, que eu não sei”.

56 E o rei ordenou-lhe: “Descubra quem é o pai dele”.

57 Logo que Davi voltou, depois de ter matado o filisteu, Abner levou-o perante Saul. Davi ainda segurava a cabeça de Golias.

58 E Saul lhe perguntou: “De quem você é filho, meu jovem? ” Respondeu Davi: “Sou filho de teu servo Jessé, de Belém”.

 

Desenvolvimento

Eu não sou muito religioso, mas sempre considerei esta uma das mais belas histórias bíblicas.

A história da humanidade é uma história de confrontos. Ao contrário do que marxistas dizem, não apenas confrontos entre classes sociais, dominante e oprimido, mas com as mais diversas motivações, desde tradições religiosas e culturais locais a paixões e romances individuais.

Seres racionais possuem as mais diversas formas de lidar com as mais diversas situações, muitas destas vezes há um conflito entre as soluções propostas, algumas vezes estes conflitos levam a agressões, guerras e toda a selvageria irracional que somente seres racionais são capazes de produzir em longa escala.

Na história de Davi e Golias, os Filisteus preparam um ataque a Israel, e trazem consigo um guerreiro de 2,92m de altura chamado Golias.

O gigante chamou os Israelitas para um embate até a morte. Aquele que lhe enfrentasse carregaria consigo o destino de ambas as nações, a nação do representante perdedor seria escrava da outra. Durante 40 dias o gigante repetiu seu discurso e nenhum israelita aceitou o desafio.

Davi, rapaz franzino, o mais novo de uma família de soldados, pastoreava as ovelhas da família e a pedido de seu pai levava alimentos a seus irmãos, ouviu o discurso do gigante e questionou se haveria alguma recompensa ao guerreiro que representasse Israel.

Saul, governante, prometeu grandes riquezas, isenção de impostos à família do guerreiro e a mão de sua filha em casamento, por consequência a dinastia de governo do reino de israel.

Ao ser levado à presença de Saul, Davi foi desacreditado pelo governante, ora, soldados com décadas de treinamento jamais seriam derrotados por um pequeno e franzino pastor de ovelhas, imagine o gigante? A lógica é plausível, mas a ação humana é imprevisível e a fé tem seus caminhos.

Soldados têm um preparo para a batalha padrão. O tamanho e força do inimigo padrão, sabem esquivar e atacar com força suficiente para subjugar ou competir em força com um inimigo padrão. E com um gigante? Seria uma batalha impossível!

Bem, muitas vezes é preciso planejar o ataque conforme características de seu inimigo, o gigante era mais forte, será que é mais rápido? Seu dorso era coberto de músculos, mas sua cabeça seria mais rígida do que a de qualquer outro homem? Com espada e o escudo seria imbatível, mas, será que não haveria outro jeito?

Pois bem, podemos citar um trecho de A Arte da Guerra de Sun Tzu aqui:

Conhece teu inimigo e conhece-te a ti mesmo; se tiveres cem combates a travar, cem vezes serás vitorioso.

Se ignoras teu inimigo e conheces a ti mesmo, tuas chances de perder e de ganhar serão idênticas.

Se ignoras ao mesmo tempo teu inimigo e a ti mesmo, só contarás teus combates por tuas derrotas.

 

Davi, com grande coragem, afirmou que conseguiria derrotar o gigante. Para a surpresa de todos os outros soldados de Israel.

Pois tinha fé. No sentido bíblico, fé seria algo como “acreditar que a providência divida lhe prestaria auxílio’. Mas podemos também interpretar em um sentido amplo, como “confiança em suas convicções, estratégia e análise”.

Quantas vezes não estamos nesta posição? Parece que tudo vai dar errado, nestas horas podemos buscar conforto mental na religião, fé em Deus, ou buscar uma saída racional analisando novas abordagens para estes problemas, fé em nós mesmos.

Haveria, logicamente, grande risco no conflito. E quanto maior o risco, mais devemos nos preparar. Ops., mais Davi deveria preparar-se.

Iniciado o confronto, o gigante de quase 3 metros, cujo elmo pesava 70 quilos, provavelmente baseado-se em dados econométricos, como algumas vitórias anteriores, replicando sua estratégia,  avança sobre Davi.

Fiquemos com mais trechos de A Arte da Guerra de Sun Tzu:

“(…) um comandante militar deve atacar onde o inimigo está desprevenido e deve utilizar caminhos que, para o inimigo, são inesperados…” – Princípio da Surpresa.

“Quando capaz, finja ser incapaz; quando pronto, finja estar despreparado; quando próximo, finja estar longe; quando longe, façam acreditar que está próximo.”

 

Davi tinha observado a forma de batalha habitual dos soldados, identificou-lhe os pontos frágeis, apesar do aparente despreparo físico e militar, tinha um plano inovar sobre como poderia agir para obter a vitória sobre o gigante. Uma anomalia aos dados econométricos utilizados pelo gigante em sua análise.  

Ao contrário de força, agilidade, ao contrário de espada, lança e escudo, um alforje, ao contrário de confiança, coragem. Ao contrário de dados, fé.

Quantas vezes nós, libertários, não olhamos para o gigante à nossa frente, a mentalidade agressora, a crença na necessidade de um ente agressor centralizando decisões e elevando humanos a patamares divinos, e não sentimos medo?

Quantas pessoas não chegam e falam “é uma batalha impossível”? e mesmo que fosse, o certo ainda será certo, o errado ainda será errado.

Enquanto o gigante se regojiza de suas vantagens, cabe a nós buscar formas de evitar seus ataques, não com ataques diretos e irracionais, o que seria praticamente um suicídio, mas com o uso da razão.

Assim como Davi, cabe a nós formular a estratégia de combate que menos nos expõe, menos nos fragiliza e que melhor atinge os pontos fracos do inimigo. Davi foi corajoso, não imprudente. 

Ao invés de nos abater como covardes apostando na vitória certa do inimigo, vamos nos ater aos nossos pontos fortes também. Ele é grande, mas somos muitos, e quanto mais espalharmos as ideias, mais e mais seremos. Ele tem a força, nós temos a razão. Ele manipula a informação, nós temos o anonimato. Ele controla a emissão de moeda, nós podemos fazer escambo, usar outro ou criptomoedas, nós somos quem circula os bens e serviços! Eles são meras projeções de monstros na parede da caverna!

Os covardes, os verdadeiros fracos, borrando-se de medo, sempre apostarão em Golias. Cabe a nós desmistificar o gigante. Deve-se sim evitar o confronto direto, mas o monstro não tem essência, não tem legitimidade, não existe além de uma abstração, resultado de uma somatória de agressões, ao ter-se que estas agressões são injustas, o gigante evapora como uma cachoeira de vapor.

Talvez essa guerra leve séculos e gerações e gerações ainda serão subjugadas pelo controle estatal. Não podemos deixar a fé fraquejar, não podemos nos abalar! Não podemos nos calar!

Nikola Tesla morreu pobre, bem, é isso. Muitas vezes este é o preço de ser um homem muito à frente de seu tempo.

Com a pedra em seu alforje, o corajoso Davi atingiu o gigante em sua cabeça, o que lhe deixou desacordado, e com sua espada, lhe aplicou o golpe fatal.

 

Compartilhe:
Categorias dos artigos:
Agorismo · Libertarianismo · Sem categoria