banner
4 meses atrás
233 Visualizações
4 0

Böhm-Bawerk, o economista austríaco que disse não ao estado gigante

Escrito por
eugen-von-boehm-bawerk-1851
Compartilhe:

Vivemos numa época em que os políticos e os burocratas só conhecem uma única política pública: mais e cada vez maior estado. No entanto, houve um momento em que até mesmo aqueles que serviam ao governo defendiam um governo limitado e menor. Um dos maiores deles morreu há cem anos, em 27 de agosto de 1914, o economista austríaco Eugen von Böhm-Bawerk. Böhm-Bawerk é mais famoso como um dos principais críticos do marxismo e do socialismo nos anos que antecederam a Primeira Guerra Mundial. Ele também é famoso como um dos desenvolvedores da teoria da “utilidade marginal” como a base para mostrar a lógica e o funcionamento do sistema de preços do mercado competitivo.

Mas ele também atuou três vezes como o ministro das Finanças do Velho Império Austro-Húngaro, durante o qual ele lutou firmemente pela redução dos gastos do governo e da tributação, por orçamentos equilibrados e por um sistema monetário baseado no padrão-ouro.


Perigo de gastos governamentais fora de controle

Mesmo depois que Böhm-Bawerk havia deixado o cargo público, ele continuou a alertar sobre os perigos de gastos descontrolados e empréstimos do governo como o caminho para a ruína em sua terra natal, a Áustria-Hungria, e em palavras que soam tão verdadeiras hoje como quando as escreveu um século atrás.

Em janeiro de 1914, apenas um pouco mais que a metade de um ano antes do início da Primeira Guerra Mundial, Böhm-Bawerk disse em uma série de artigos em um dos mais importantes jornais de Viena que o governo austríaco estava seguindo uma política de irresponsabilidade fiscal. Durante os últimos três anos, os gastos do governo aumentaram em 60 por cento, e para cada um desses anos o déficit do governo foi de aproximadamente 15 por cento da despesa total.

O motivo, disse Böhm-Bawerk, foi que o parlamento austríaco e o governo foram envolvidos em uma teia de aranha de políticas de interesse especial. Composto por um grande número de diferentes grupos linguísticos e nacionais, o Império Austro-Húngaro estava sendo corrompido por abuso do processo democrático, com cada grupo de interesse usando o sistema político para obter privilégios e favores à custa dos outros.

Böhm-Bawerk explicou:

“Temos visto inúmeras variações do jogo irritante de tentar gerar contentamento político por meio de concessões materiais. Se antigamente os parlamentos eram os guardiões da economia, hoje são muito mais como seus inimigos jurados.

“Hoje em dia, os partidos políticos e nacionalistas . . . têm o hábito de cultivar a ganância de todos os tipos de benefícios para os seus co-cidadãos ou grupos que eles consideram como um verdadeiro dever, e se a situação política for correspondentemente favorável, isto é, correspondentemente desfavorável para o Governo, em seguida a pressão política irá produzir o que se deseja. Muitas vezes, porém, por causa da rivalidade cuidadosamente calculada e dos ciúmes entre as partes, o que foi concedido a um [grupo] também tem de ser concedido a outros, a partir de uma única concessão onerosa surge todo um conjunto de concessões onerosas”.

Ele acusou o governo austríaco de ter “desperdiçado, em meio à nossa boa sorte [de prosperidade econômica], tudo, mas tudo, até o último centavo, que poderia ser agarrado por apertar o parafuso de impostos e antecipar futuras fontes de renda para o limite superior” por empréstimo no presente em detrimento do futuro.

Por algum tempo, disse ele, “um número muito grande de nossas autoridades públicas têm vivido acima das suas possibilidades”. Uma tal política fiscal, Böhm-Bawerk temia, estava ameaçando a estabilidade financeira de longo prazo e a solidez de todo o país.

Oito meses depois, em agosto de 1914, a Áustria-Hungria e o resto da Europa tropeçaram no cataclismo que tornou-se a Primeira Guerra Mundial. E muito mais do que apenas as finanças do Império Austro-Húngaro estava em ruínas quando essa guerra terminou quatro anos depois, uma vez que o próprio Império desapareceu do mapa da Europa.


Um homem de honestidade e integridade.

Eugen von Böhm-Bawerk nasceu em 12 fevereiro de 1851 em Brno, capital da província Austríaca da Morávia (hoje a parte oriental da República Checa). Ele morreu em 27 de agosto de 1914, com a idade de 63, assim como a Primeira Guerra Mundial estava começando.

Dez anos depois da morte de Böhm-Bawerk, um de seus alunos, o economista austríaco Ludwig von Mises, escreveu um memorável ensaio sobre seu professor. Mises disse:

“Eugen von Böhm-Bawerk permanecerá inesquecível para todos os que o conheceram. Os estudantes que tiveram a sorte de ser membros de seu seminário [da Universidade de Viena] nunca iram perder o que ganharam a partir do contato com esta grande mente. Para os políticos que tenham entrado em contacto com o estadista, a sua extrema honestidade, abnegação e dedicação ao dever permanecerá para sempre um exemplo brilhante.

“E nenhum cidadão deste país [Áustria] deve jamais esquecer o último ministro das Finanças da Áustria, que, apesar de todos os obstáculos, estava seriamente tentando manter a ordem das finanças públicas e evitar a aproximação de uma catástrofe financeira. Mesmo quando todos aqueles que forem próximos de Böhm-Bawerk tiverem deixado esta vida, seu trabalho científico continuará a viver e dar frutos”.

Outro aluno de Böhm-Bawerk, Joseph A. Schumpeter, falou de seu professor nos mesmos termos elogiosos, dizendo: “ele não era apenas uma das figuras mais brilhantes da vida científica de seu tempo, mas também um exemplo do mais raro dos estadistas, um grande ministro das Finanças . . . Como funcionário público, ele levantou-se para a tarefa mais difícil e ingrata na política, a tarefa de defender os princípios de boa gestão financeira.”

As contribuições científicas a que Mises e Schumpeter referiram-se foram escritos de Böhm-Bawerk sobre o que se tornou conhecido como a teoria austríaca do capital e dos juros, e sua formulação igualmente perspicaz da teoria austríaca do valor e do preço.


A Teoria Austríaca do Valor Subjetivo

A Escola Austríaca de Economia começou em 1871 com a publicação dos Princípios de Economia de Carl Menger. Neste trabalho, Menger desafiou as premissas fundamentais dos economistas clássicos, de Adam Smith a David Ricardo a John Stuart Mill. Menger argumentou que a teoria do valor-trabalho foi falha ao presumir que o valor dos bens é determinado pelas quantidades relativas de trabalho que tinham sido gastos na sua produção.

Em vez disso, Menger formulou uma teoria subjetiva do valor, o raciocínio de que o valor tem origem na mente de um avaliador. O valor de meios reflete o valor dos fins que esses meios possam permitir que o avaliador obtenha. O trabalho, portanto, como matérias-primas e outros recursos, tem seu valor derivado a partir do valor dos bens pode produzir. Desse ponto de partida, Menger esboçou uma teoria do valor dos bens e fatores de produção e uma teoria dos limites de intercâmbio e formação de preços.

Böhm-Bawerk e seu futuro cunhado, e também futuro famoso colaborador da Escola Austríaca, Friedrich von Wieser, se depararam com o livro de Menger, logo após a sua publicação. Ambos viram imediatamente o significado da nova abordagem subjetiva para o desenvolvimento da teoria econômica.

Em meados da década de 1870, Böhm-Bawerk entrou no serviço público austríaco, logo subindo de classificação no Ministério da Fazenda trabalhando na reforma do sistema fiscal austríaco. Mas em 1880, com a ajuda de Menger, Böhm-Bawerk foi nomeado professor da Universidade de Innsbruck, cargo que ocupou até 1889.


Escritos de Böhm-Bawerk sobre Valor e Preço

Durante esse período, ele escreveu dois livros que estabeleceram sua reputação como um dos principais economistas de seu tempo, Capital e Juros Vol. I: História e Crítica das Teorias dos Juros (1884) e Vol. II: Teoria Positiva do Capital (1889). Um terceiro volume, Outros Ensaios sobre Capital e Juros, apareceu em 1914, pouco antes de sua morte.

No primeiro volume de Capital e Juros, Böhm-Bawerk apresentou um detalhado e amplo estudo crítico das teorias sobre a origem e a base dos juros desde mundo antigo até o seu próprio tempo. Mas foi no segundo trabalho, no qual ele forneceu a Teoria Positiva do Capital, que a maior contribuição de Böhm-Bawerk para com o corpo da Economia Austríaca pode ser encontrada. No meio do volume há uma digressão de 135 páginas na qual ele apresenta uma declaração refinada da teoria subjetiva austríaca do valor e do preço. Ele desenvolve em detalhe meticuloso a teoria da utilidade marginal, mostrando a lógica de como as pessoas avaliam e pesam as alternativas entre as quais eles podem escolher e o processo que leva a decisões para selecionar determinadas combinações preferidas norteadas pelo princípio marginal. E ele mostra como o mesmo conceito de utilidade marginal explica a origem e a importância do custo e a valoração atribuída aos fatores de produção.

Na seção sobre a formação de preços, Böhm-Bawerk desenvolve uma teoria de como as valorações subjetivas de compradores e vendedores criam incentivos para que as partes em ambos os lados do mercado iniciem lances e ofertas de preços. Ele explica como a lógica de criação de preços por parte dos participantes do mercado também determina a faixa em que os mecanismos de compensação, ou de equilíbrio, do preço de mercado deve finalmente se ajustar, tendo em conta os preços máximos de demanda e os preços mínimos de fornecimento, respectivamente, dos concorrentes compradores e vendedores.


Capital e Investimento de Tempo como as Fontes de Prosperidade

É impossível fazer plena justiça à teoria do capital e dos juros de Böhm-Bawerk. Mas no contorno do esquema, ele argumentou que, para o homem atingir seus vários fins desejados, ele deve descobrir os processos causais através dos quais o trabalho e os recursos à sua disposição podem ser usados para seus propósitos. Essencial a esse processo de descoberta é a percepção de que muitas vezes o caminho mais eficaz para a meta desejada é através de métodos de produção “indiretos”. Um homem será capaz de pegar mais peixes em um curto período de tempo se ele primeiro dedicar o tempo necessário para a construção de uma rede de pesca de videiras, esvaziando um tronco de árvore como uma canoa e esculpindo um galho de árvore em uma pá.

Maior produtividade, muitas vezes, se obterá no futuro se o indivíduo estiver disposto a assumir, portanto, um certo “período de produção”, durante o qual os recursos e a mão de obra estarão a trabalhar para a fabricação do capital – a rede de pesca, a canoa e a pá – que será então utilizado para remar na lagoa onde mais e maiores peixes poderão estar disponíveis.

Mas o tempo envolvido para realizar e implementar esses métodos mais indiretos de produção envolvem um custo. O indivíduo deve estar disposto a abrir mão de atividades de produção (muitas vezes menos produtivas) no futuro mais imediato (atravessando a lagoa usando um galho de árvore como uma lança), pois esse trabalho e esses recursos estão ligados a um método mais demorado de produção, cujos resultados mais produtivos só serão apresentadas mais tarde.


Os Juros de um Empréstimo refletem o Valor do Tempo

Isso levou Böhm-Bawerk à sua teoria dos juros. Obviamente, os indivíduos que avaliam as possibilidades de produção já discutidas devem pesar fins disponíveis mais imediatamente em comparação com outros fins (talvez mais produtivos) que possam ser obtidos mais tarde. Como regra geral, argumentou Böhm-Bawerk, as pessoas preferem produtos mais cedo que mais tarde.

Cada individual valoriza bens disponíveis no presente e desvaloriza  em certo grau bens que só podem ser obtidos mais no futuro. Já que os indivíduos têm taxas de juros a receber e a pagar (preferências temporais) diferentes, existem potenciais ganhos mútuos a partir de trocas. Essa é a fonte da taxa de juros: é o preço da transação intertemporal de bens de consumo e de produção.


Böhm-Bawerk Refuta a Crítica ao Capitalismo de Marx.

Uma das mais importantes aplicações de Böhm-Bawerk de sua própria teoria foi a refutação da teoria da exploração de Marx de que os empregadores obtêm lucros por privar os trabalhadores do valor total do que seu trabalho produz. Ele apresentou sua crítica da teoria de Marx no primeiro volume de Capital e Juros e em um longo ensaio publicado originalmente em 1896 no “Contradições Não Resolvidas no Sistema Econômico Marxista”. Em essência, Böhm-Bawerk argumentou que Marx tinha confundido juros com lucro. No longo prazo, não há lucros que podem continuar a ser conquistados em um mercado competitivo, porque os empresários vão aumentar os preços dos fatores de produção e competir para abaixar os preços dos bens de consumo.

Mas toda a produção leva tempo. Se esse período for de qualquer período significativo, os trabalhadores devem ser capazes de sustentar-se até que o produto esteja pronto para venda. Se eles estão indispostos ou incapazes de se sustentar, alguém deve adiantar o dinheiro (salário) para habilitá-los a consumir no mesmo período.

Isso, explicou Böhm-Bawerk, é o que o capitalista faz. Ele poupa, abrindo mão do consumo ou de outros usos de sua riqueza, e essas economias são a fonte dos salários dos trabalhadores durante o processo de produção. O que chamou Marx de “lucro de exploração” dos capitalistas Böhm-Bawerk mostrou ser o pagamento implícito de juros pelo dinheiro adiantado aos trabalhadores durante os processos de produção indiretos e consumidores de tempo.


Defendendo a Restrição Fiscal no Ministério da Fazenda Austríaco

Em 1889, Böhm-Bawerk foi chamado de volta do mundo acadêmico para o Ministério das Finanças da Áustria, onde trabalhou na reforma dos sistemas de taxação direta e indireta. Ele foi promovido a chefe do departamento fiscal em 1891. Um ano depois, ele foi vice-presidente da Comissão Nacional que propôs colocar a Áustria-Hungria em um padrão-ouro como um meio de estabelecer um sólido sistema monetário livre da manipulação direta da máquina do governo de imprimir dinheiro.

Três vezes ele serviu como ministro das Finanças, brevemente em 1895, novamente em 1896-1897 e depois de 1900 a 1904. Durante o último mandato de quatro anos Böhm-Bawerk demonstrou seu compromisso com o conservadorismo fiscal, com os gastos e a tributação do governo mantidos estritamente sob controle.

No entanto, Ernest von Koerber, o primeiro-ministro austríaco, em cujo governo Böhm-Bawerk serviu, concebeu um grandioso e muito caro esquema de obras públicas em nome do desenvolvimento econômico. Uma extensa rede de linhas férreas e canais eram para ser construídas para conectar várias partes do Império Austro-Húngaro – subsidiando no processo uma grande variedade de grupos de interesse especial no que hoje poderia ser descrito como um programa de “estímulo” para supostamente a “criação de empregos”.

Böhm-Bawerk incansavelmente lutou contra o que ele considerava uma extravagância fiscal que exigiria impostos mais altos e maior dívida, quando não havia nenhuma evidência convincente de que os benefícios industriais iriam justificar a despesa. Nas reuniões do Conselho de Ministros, Böhm-Bawerk corajosamente argumentou contra as propostas de despesas apresentadas pelo Imperador Austríaco, Franz Josef, que presidiu as sessões.

Quando, finalmente, ele se demitiu do Ministério das Finanças, em outubro de 1904, Böhm-Bawerk tinha conseguido evitar a maior parte dos gastos do projeto gigante do primeiro-ministro Koerber. Mas ele escolheu se demitir por causa do que ele considerou ser uma corrupção financeira de “irregularidades” no orçamento de defesa do exército militar austríaco. No entanto, os 1.914 artigos de Böhm-Bawerk sobre finanças do governo indicam que a onda de gastos do governo contra a qual ele tinha lutado tanto rompeu mais uma vez quando ele não estava mais lá para combatê-la.


Controle Político ou Lei Econômica

Poucos meses após a sua morte, em dezembro de 1914, seu último ensaio apareceu na imprensa, um pedaço completo sobre “Controle ou Lei Econômica?” Ele explicou que vários grupos de interesse da sociedade, sobretudo os sindicatos, sofrem de uma falsa concepção de que através seu uso ou ameaça de força, eles são capazes de aumentar os salários permanentemente acima da estimativa do valor de vários tipos de trabalho do mercado.

Arbitrariamente fixando salários e preços mais elevados do que os que os empregadores e os compradores pensam valerem o trabalho e os bens – como com a lei de salário mínimo determinado pelo governo –, simplesmente se precifica certos trabalhos e bens fora do mercado.

Além disso, quando os sindicatos impõem altos salários não correspondentes ao mercado sobre os empregadores em uma indústria, os sindicatos só conseguem temporariamente comer as margens de lucro dos empregadores e criar o incentivo para os empregadores deixarem esse setor da economia e levarem com eles aqueles empregos.

O que faz os salários reais dos trabalhadores subirem no longo prazo, argumentou Böhm-Bawerk, é a formação de capital e investimentos em métodos mais indiretos de produção que aumentem a produtividade dos trabalhadores e, portanto, torna os seus serviços de trabalho mais valiosos no longo prazo, enquanto também aumentam a quantidade de bens e serviços que podem comprar com seu salário de mercado.

Por último, Eugen von Böhm-Bawerk defendia a razão e a lógica do mercado contra os apelos emocionais e o raciocínio falho de quem queria usar o poder do governo para adquirir dos outros o que eles não poderiam obter através da livre concorrência. Suas contribuições para a teoria econômica e da política econômica mostram-no como um dos maiores economistas de todos os tempos, bem como o seu exemplo como um homem de princípios e integridade inabalável que na arena política inabalavelmente lutou por livre mercado e governo limitado.

Texto original aqui.

Tradução de Jonathan Alves

Compartilhe:
Categorias dos artigos:
Economia
banner
Foto de perfil de Richard Ebeling

Richard M. Ebeling leciona economia no Hillsdale College em Michigan, é um scholar adjunto do Mises Institute e trabalha no departamento de pesquisa do American Institute for Economic Research.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *