banner
ago 11, 2017
1693 Visualizações
Comentários desativados em 6 professores que ganham mais que o Neymar
4 0

6 professores que ganham mais que o Neymar

Escrito por
Compartilhe:

A contratação de Neymar pelo francês Paris Saint-Germain caiu como uma verdadeira bomba no mundo do futebol. Pelos valores envolvidos no negócio, trata-se da mais cara transação já realizada na história desse esporte. A pergunta gerada após dela, no entanto, você já deve ter visto nas redes sociais em algum momento: é justo que um jogador de futebol receba tanto (cerca de 40 milhões de euros por ano pelo mesmo contrato) enquanto há professores recebendo tão pouco?

Essa é uma ideia intuitiva do senso comum que a princípio parece fazer sentido, mas está totalmente errada, de que bens e serviços possuem um valor inerente, um valor intrínseco, o qual pode ser objetivamente determinado por nós.

Não há uma maneira objetiva de estipular quanto um bem ou serviço deveria valer no mercado.  O valor de um bem ou serviço é determinado por um complexo arranjo de fatores (oferta, demanda e a existência de substitutos de igual ou semelhante qualidade).  Esses fatores fazem com que seja impossível determinar objetivamente o valor objetivo de um bem ou serviço.

Para determinar quanto algo vale, você tem, antes de tudo, descobrir quanto aquele algo vale para alguém.  O valor de um bem ou serviço é amplamente determinado pelo seguinte valor subjetivo: quanto as pessoas estão dispostas a pagar por ele.

Um bom professor pode realmente gerar valor para seus alunos e para os pais de seus alunos, mas ele gera valor para uma quantidade pequena de pessoas ao ano.  Quantos alunos diferentes ele tem?  Provavelmente, não mais do que 200 (um número bem exagerado).  Portanto, ele cria valor para 200 pessoas por ano.  Pode-se dizer que é uma produtividade extremamente baixa.

Já artistas e jogadores de futebol têm alcance nacional (alguns, mundial).  Milhões de pessoas consomem voluntariamente seus serviços, e eles geram retornos — goste você ou não deles — para seus empregadores e patrocinadores semanalmente, que estão satisfeitos em lhes pagar salários milionários.  Se não gerassem valor, seria simplesmente impossível terem esses salários.

O professor, por melhor que seja a qualidade do seu serviço, alcança um número limitado de pessoas.  Já os artistas e jogadores de futebol alcançam milhões de pessoas.  Com um público consumidor maior e com menos concorrência em sua área, é natural que estes últimos ganhem mais que professores.

De novo: o que você pensa sobre essas profissões é imaterial.  O fato concreto é que tais pessoas geram grandes retornos para seus empregadores.  E geram grandes retornos porque há milhões de pessoas voluntariamente dispostas a consumir seus bens ou serviços.

Definir como se formam os salários é um desafio e tanto – e na maior parte das vezes, algo consideravelmente subjetivo. Como a Autoridade de Investimentos do Catar, no entanto, dona do PSG, sabe bem, o que Neymar agrega ao clube, e ao próprio país que sediará a Copa do Mundo em 2022, vai muito além do seu trabalho dentro de campo.

Assim como uma pequena elite dos profissionais de futebol, que no Brasil mal atinge 2% do totais de jogadores, Neymar é hoje uma empresa que oferece entretenimento a milhões de torcedores mundo afora – e visibilidade às marcas agregadas à sua imagem. Em um mundo, afinal, onde a maior parte da população não saberia apontar o Catar no mapa mundi, ligar-se a um dos jogadores mais conhecidos do planeta parece fazer todo sentido para quem possui a necessidade de divulgar uma Copa do Mundo.

Quando se trata de salários, porém, as coisas mudam de figura. Na prática, os 120 mil professores com mestrado ou doutorado no Brasil ganham mais do que 98% dos jogadores de futebol brasileiros. Por aqui, entre os 23 mil jogadores, apenas 620 ganham acima de R$ 12,4 mil. Não apenas isso: cerca de 82% destes mesmos jogadores ganham menos de dois salários mínimos – portanto menos que a média dos professores de ensino básico.

O que realmente determina a remuneração no mercado não é o mérito, não é a virtude, não é o esforço ou a dedicação. É apenas a criação de valor; o valor que aquela pessoa consegue adicionar à vida dos demais.

Satisfaça as necessidades dos outros, e as suas serão satisfeitas. Não importa se é por mérito, por sorte ou por talento. O cara mais esforçado e bem-intencionado do mundo, se não criar valor, ficará de mãos vazias.

Ainda que se trate de uma grande exceção, porém, Neymar não aparece tão bem na foto quando comparado a alguns professores que, assim como ele, deixaram de atender apenas alguns alunos e passaram a oferecer educação – e não entretenimento – a milhões de pessoas. O resultado? Como você confere abaixo, deixaram o craque brasileiro no chinelo.

 

1. Carlos Wizard

Tornar-se um bilionário na área de educação não é das tarefas mais fáceis. Imagine, no entanto, conseguir isso em um país tradicionalmente tão pouco afeito a investir nisto quanto o Brasil.

Carlos Wizard, ou Carlos Martins, seu verdadeiro nome, tornou-se um fenômeno ao descobrir que era possível fazer o brasileiro compreender o poder de estudar inglês nos dias de hoje.

Depois de viajar para os Estados Unidos com 100 dólares no bolso, com o intuito de aprender o idioma local, Carlos retornou ao Brasil e começou a dar aulas na própria casa, com um foco até então ignorado pelas grandes redes: conversação.

Foi ajudando as pessoas a ganharem prática na conversação em inglês que abriu sua primeira escola de idiomas – a Wizard, com cerca de 100 alunos. E depois dela foram inúmeras outras, a maior parte em um modelo de franquias.

O número 100 acabou se tornando emblemático, não apenas por marcar a quantidade de alunos que sua primeira escola contava, como também o número de milionários que a Wizard criou ao longo dos anos ao permitir que inúmeros outros professores e empreendedores utilizassem seu método para educar jovens e adultos.

Em 2013, Carlos vendeu sua rede de ensino ao grupo Person por R$ 2 bilhões, o suficiente para contar com Neymar por quase 12 anos, incluindo aí a multa rescisória com o Barcelona de R$ 880 milhões.

 

2. Flávio Augusto

Dono de um clube de futebol para chamar de seu hoje, o Orlando City, Flávio Augusto teve uma origem improvável para os padrões brasileiros – saiu do subúrbio do Rio para ensinar brasileiros já adultos a falarem inglês fluente em 18 meses, prazo muito mais curto do que os tradicionais 4 anos que um adolescente leva em um curso padrão.

Desenvolver um método revolucionário de ensino, no entanto, é tarefa pequena perto do sufoco que é empreender no Brasil. Sua primeira escola, em 1995, contou com o investimento de R$ 20 mil do seu cheque especial, com juros nada camaradas de 12% ao mês.

Em 2013, ao vender sua rede de ensino, a Wise Up, para a Abril, Flávio entrou pra lista dos bilionários brasileiros. Além da compra do seu próprio time de futebol, no entanto, a paixão pelas salas de aula o fez retornar – desta vez em um outro ramo do ensino: o empreendedorismo.

Flávio criou em 2015 a meusucesso.com, onde pode, enfim, ensinar além da perseverança necessária pra se atuar como empreendedor no Brasil, dicas sobre iniciar seu próprio negócio.

Nos 18 anos entre a fundação e a venda da Wise up, foram mais de meio milhão de alunos formados – pouco diante dos milhões de torcedores do PSG, mas suficiente para acumular uma fortuna capaz de tirar o craque do clube espanhol.

 

3. Adi Shamir

 

Graduado em matemática pela Universidade de Tel Aviv, Shamir ao contrário da maior parte dos professores que estamos acostumados, levou seu foco para a área de pesquisa, onde aliando-se à sua formação na área de computação, tornou-se célebre por desenvolver algoritmos e criptografia.

Graças às suas pesquisas e desenvolvimentos, como o RSA, Shamir recebeu inúmeros prêmios, como a medalha Turing, em homenagem ao criptografista inglês, Alan Turing, que desvendou a máquina Enigma dos alemães, ajudando os aliados a preverem ataques e vencerem a Segunda Guerra Mundial.

Suas contribuições, no entanto, se estendem à área de ensino – além da pesquisa onde se consagrou, Shamir é responsável por escrever inúmeros livros de matemática utilizados para ensinar adolescentes nas High Schools americanas. Adi é o que se pode chamar de o professor do seu professor.

Sua fortuna é avaliada em 2.3 bilhões de dólares.

 

4. David Cheriton

Sergey Brin e Larry Page provavelmente são nomes familiares para você, mas se não estiver ligando o nome a pessoa, ou mais precisamente, o nome ao invento, ambos são ex-estudantes de Stanford e criadores do Google.

Em comum, Sergey e Larry possuem um bacharelado em computação e um mesmo professor: David Cheriton.

Ainda hoje, o professor dos célebres fundadores do Google trabalha com seus estudantes na universidade americana para desenvolver sistemas transacionais de memória.

Graças à proximidade com alunos promissores, o então professor tornou-se o primeiro a assinar um cheque para ajudar aquela que se tornaria a segunda companhia mais valiosa do mundo, a Alphabet (dona do Google). Com um cheque de US$ 100 mil, e uma mentoria na área, Cheriton ajudou seus estudantes a mudar definitivamente a forma como você enxerga a internet hoje.

Seu patrimônio atual, estimado em US$ 3,4 bilhões, deve-se não apenas a isto, mas a diversos outros empreendimentos, ao menos vinte conhecidos, ligados a apostas junto a alunos que tiveram com ele não somente aulas, mas conselhos para criar empresas que mudassem a ciência e tecnologia.

Como resultado de empreendimentos tão bem sucedidos, David é hoje um dos maiores doadores do ensino privado americano.

 

5. Henry Samueli

 

Filho de judeus poloneses sobreviventes do holocausto, Henry Samueli tornou-se PhD em engenharia elétrica pela UCLA, na California. E por quase 15 anos deu aula na universidade, até que em 1991, junto de outro aluno, decidiu aplicar US$ 5 mil para fundar a Broadcom, companhia que cresceria e se tornaria uma das mais relevantes fabricantes de semi-condutores dos Estados Unidos.

Apenas em 1998, quando sua empresa se tornou pública – e Samueli já completava mais de duas décadas como professor – tomou a decisão de deixar as salas de aula para dedicar-se à vida de empresário. Ainda assim, seu nome ainda consta no hall de professores da prestigiada UCLA, onde é hoje um dos maiores contribuidores com doações na casa dos milhões de dólares ao ano.

Samueli, no entanto, ainda ministra aulas eventuais na universidade, como convidado, enquanto não está dividindo seu tempo entre gerir a própria empresa ou o Clube de Hockey do qual tornou-se dono (e certamente mais ricos que todos os jogadores do time canadense).

 

6. Altamiro Galindo

Fundada em 1988 no interior paulista, a Iuni é o primeiro grande salto do então professor, que tornou-se reitor, Altamiro Galindo. Sua atuação à frente da universidade tornou-se um modelo capaz de fazer o fundo americano Advent se curvar à gestão promovida pela família e colocá-la a frente de toda sua operação no Brasil, que atende pelo nome deKroton. Mesmo com 6,3% das ações da nova empresa, seu filho Rodrigo Galindo, assumiu o comando da empresa e a levou, por meio de uma série de fusões e aquisições, a se tornar a maior empresa de educação do mundo.

Há hoje na Kroton, 1,015 milhão de alunos – número próximo dos 1,5 milhão de brasileiros estudando em universidades públicas.

Com um valor de mercado de R$ 23,99 bilhões, a Kroton é atualmente uma das empresas do setor que mais cresce e se diversifica para áreas como ensino básico.

Altamiro Galindo segue no conselho da empresa, e sua família ainda mantém 5% da companhia, suficiente para comprar o passe de Neymar.

 

Autores: Felippe Hermes, Joel Pinheiro da Fonseca e Kevin Currie-Knight.

Compartilhe:
Tags dos artigos:
· ·
Categorias dos artigos:
Economia
banner

Espaço reservado para autores diversos.